Livro - A Viúva Clicquot: a história de um império do champanhe e da mulher que o construiu

Era uma vez uma mulher forte, centrada e destemida… foi assim que Barbe-Nicole foi trazida por Tilar J. Mazzeo para as páginas dessse livro. A autora buscou evidências para traçar a vida e as experiências da Viúva Clicquot, aquela do famoso champagne de rótulo cor de gema de galinha.

Quem gosta de champagne provavelmente conhece o Veuve Clicquot. Quem quiser/gostar/puder deve experimentar, já que o mesmo faz parte da história dessa bebida mundialmente famosa. Em outro post conto como foi minha visita a Cave Veuve Clicquot em Reims, na França.
Fonte: Submarino

Tendo como pano de fundo a história da indústria do champagne, o livro traz eventos históricos franceses e mundiais e projeta como a famosa viúva poderia ter se comportado ao passar por esses eventos ao longo de sua vida. Isso mesmo, "poderia", pois a autora, que viajou à França para suas pesquisas, deixa claro no início do livro que o que foi escrito partiu de suposições suas a partir das informações que conseguia sobre sua personagem principal. 
Víuva aos 27 anos, Barbe-Nicole, a viúva Clicquot, teve que continuar o que seu marido havia começado, e para isso trilhou pelo desconhecido. Vinda de uma família burguesa, provavelmente ela teve em sua educação ensinamentos sobre negócios. Mas mesmo assim foi uma mulher a frente do seu tempo e muito corajosa, em sua época (início do século XIX) não era comum ver mulheres comandando companhias, fábricas, indústrias e etc. e ela ergueu e sustentou uma marca com identidade forte e bem definida até hoje.


O livro mostra coragem, perseverança determinação e muita, muita estratégia de negócios. Leitura indispensável para empreendedores, administradores e estudantes dessas áreas. Para os apaixonados por uma boa dose de cultura e história, vale muito a pena. O livro, por ter tanta informação, pode se tornar em alguns momentos mais cansativo, mas no final da leitura dá a sensação de um mundo novo com informações que nem sabíamos que existiam. 

Postar um comentário